terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Alguém que de longe eu deveria ter deixado de lado.

Menininha bonitinha do meu coração, porque deixaste de ser tão bela? Em que filme de terror ficou seu sorriso?
Me mostre quando é que se pode acreditar nas palavras.
Me ensine como afastar tantas pessoas sem caráter pra longe de mim.
Me forneça sua alegria, sua fantasia e me ajude a cantar.
Porque me trouxesse lixo ao invés de flores?
Já percorri florestas em busca de amor, nadei rios em busca de paz... E só vejo o reflexo de esterco que ficou.
Menininha bonitinha do meu coração, me jogue no amor, me tire da dor.
Me alimente de esperanças e ilumine meu caminho...
Não sei como pode estar tão longe... Mas leve aquele que me causa dor.

sábado, 12 de dezembro de 2015

Aquele momento...



Aquele momento que você se pega pensando na vida, e pensar na vida é a coisa mais dolorosa para se fazer. Você analisa as coisas boas que viveu, as tristezas que passou, porque passou e como passou.
Você viaja em meios a sorrisos sinceros e desesperos confessos. Mergulha em pessoas rasas e volta com a cabeça toda cortada, depois sobe tão alto em um balão, que só sente a brisa e o vento no seu rosto com os braços abertos.
E pensar em todas as vezes que você amou, e desejou não amar mais. Em todas as vezes que você se feriu tanto que desejou morrer de verdade.
Ver que você foi manipulada em situações tão mesquinhas e incompreensíveis. Que o seu melhor sempre esteve ali pra fazer alguém feliz, mas quem foi triste foi você.
Pensar na vida pode ser bom pra acordar pra vida lá fora, mas ao mesmo tempo te machuca tanto, como se aquela ferida cicatrizada sangrasse mais um pouco.
E novamente você diz pra si mesmo "Porque isso aconteceu comigo?" "Porque me deixei permitir!?"
Algo que alguém me disse em uma noite qualquer olhando as estrelas, me fez entender um pouco de como fui boa para quem não merecia meu respeito. Ela me disse:  - Quem te quer bem, nunca fará você se sentir triste!". A bondade é o que diferencia as pessoas, e o quão elas podem estar envolvidas em sua felicidade ou serem meras sangue sugas.
Talvez um dia, se Deus permitir eu consiga voar bem longe e esquecer todas as mágoas, libertar das dores, das correntes que me seguram. Voar e voar... em uma linda manhã de sol ou de chuva, pois onde existe o bem eu quero estar.
Sem nuvens negras sobre minha cabeça, sem mentiras, sem falta de respeito e crueldade.
Quem sabe, só quem sabe...  a coragem está em agir com o coração.


quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

Melhor viver, meu bem...

Eu não soube colocar em palavras ditas a saudade que nós reservava. Abraços foram as minhas desculpas e despedidas. As lágrimas que não param de cair sequer foram de tristeza, a felicidade não cabe em meu peito, mas a distância irá nós matar um dia. Sentirei falta das nossas conversas em viagens *prolongadas*. Sentirei falta dos nossos olhares em meio a uma multidão de meros observadores. A dor da ausência de abraços apertados. As primeiras partidas de uma vida que apenas está no começo.



terça-feira, 8 de dezembro de 2015

Nascemos e morremos sós.

Sobre ideia de que nascemos sós e morremos sós, eu me peguei refletindo sobre o que acontece entre as duas pontas do pavio. No meio de tantos sentimentos, momentos de alegria e tristeza, eu percebi que o grande medo da humanidade é mesmo a solidão. As pessoas têm verdadeira paúra de se sentirem sozinhas. São assombradas dia e noite só de pensar numa existência ímpar, lhes consome o pavor de olhar para o lado e enxergar um vazio físico. 
Não é a toa que fogem pra bem longe das noites frias e domingos chuvosos, optam por sair vagando pela rua fingindo uma completude inexistente, preferindo as más companhias, um bate papo tedioso empurrado com a barriga e alguns copos de cerveja. Tudo, qualquer coisa, menos enfrentar a solidão. Na maioria das vezes, estar cercado de pessoas faz com que a gente se sinta ainda mais solitário. Ocupar o tempo e a mente para evitar conviver conosco é o mesmo que tentar abarrotar um buraco sem fundo que nunca será preenchido. 
A solidão foi, é e continuará sendo a nossa fiel companheira, a única que nos entende e que nos ajuda a compreender a nós mesmos. Não adianta resistir, contestar, correr ou se camuflar no meio da multidão. Somos seres individuais, não estamos grudados ou amarrados à ninguém. E isso, seguramente, tem um significado. Não se iluda. A solidão é fiel, inseparável. Eu acredito que nascemos com ela e morremos com ela, que somos cúmplices em cada segundo. Ela nos assola e nos consola. Mesmo cercados de amigos… Estamos sempre solitários com os nossos pensamentos, percepções e sentimentos. Eu acredito que por isso a solidão é tão apavorante para alguns, porque o silêncio estrondoso do vazio diz quem realmente somos, sem nenhuma máscara ou disfarce. Somos nós e as nossas inseguranças, nossos defeitos que não assumimos nem sob tortura. 
Por isso a maioria corre pra bem longe de si. Contudo, eu digo que a solidão é fascinante e absolutamente necessária. O entendimento da particularidade é o que permite absorver a nossa essência. Sozinhos conseguimos enxergar as nossas debilidades, nossos limites e loucuras. Em unidade podemos, sim, ser felizes, capazes de amar. 
Quem disse que não? Solidão não é sinônimo de infelicidade, de amargura, de escassez de amor. O solitário é aquele que se conhece tão bem ao ponto de preferir a própria companhia antes de qualquer outra. Para conceber o mundo lá fora é preciso entender primeiro aqui dentro. A gente se conhece no exílio para se reconhecer diante dos outros. Somos uma unidade e nos completamos assim.


Poderia suportar tudo...

Eu poderia suportar tudo nesta vida se tivesse amor, mas sem amor eu nada sou.
Eu poderia suportar perder uma perna, ou as duas, perder meu cabelo, meus olhos, se tivesse amor, mas sem ele, eu nada consigo.
Eu poderia suportar firme, aguentar uma doença no sangue, porque existia um amor para me deixar forte, mas sem ele eu não consigo nem levantar da cama.
Eu poderia ficar sem comida, sem água e sem sombra, se tivesse amor, eu estaria bem, mas sem ele, eu não consigo nem olhar pra cima.
Eu poderia suportar ficar sem amigos, sem meus gatos e meus cachorros, se tivesse amor para me abraçar, mas sem ele, eu não consigo nem ver a luz no final do túnel.
Eu poderia ser forte o tempo todo, com meus filhos, mas sem o amor que me acalma, eu nada sou.
Eu poderia olhar várias vezes para a mesma pessoa e ama-la todas as vezes, mas sem amor, eu não consigo nem ver as cores do dia.
Eu poderia perder tudo e recomeçar do zero, mas sem amor, eu não tenho nem coragem de seguir em frente.
Eu poderia cantar junto com um pássaro quando acordo pela manhã, mas sem amor eu não escuto nem sua voz.
Eu poderia tantas coisas com amor, mas sem ele, eu não posso nada, nem viver.



segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

Saudades.

Saudades...


Sinto saudades de tudo que marcou a minha vida.
Quando vejo retratos, quando sinto cheiros, quando escuto uma voz, quando me lembro do passado, eu sinto saudades...
Sinto saudades de amigos que nunca mais vi, de pessoas com quem não mais falei ou cruzei...
Sinto saudades da minha infância, do meu primeiro amor, do meu segundo, do terceiro, do penúltimo e daqueles que ainda vou ter, se Deus quiser...
Sinto saudades do presente, que não aproveitei de todo, lembrando do passado e apostando no futuro...
Sinto saudades do futuro, que se idealizado, provavelmente não será do jeito que eu penso que vai ser...
Sinto saudades de quem me deixou e de quem eu deixei!
De quem disse que viria e nem apareceu; de quem apareceu correndo, sem me conhecer direito, de quem nunca vou ter a oportunidade de conhecer.
Sinto saudades dos que se foram e de quem não me despedi direito!
Daqueles que não tiveram como me dizer adeus; de gente que passou na calçada contrária da minha vida e que só enxerguei de vislumbre!
Sinto saudades de coisas que tive e de outras que não tive mas quis muito ter!
Sinto saudades de coisas que nem sei se existiram.
Sinto saudades de coisas sérias, de coisas hilariantes, de casos, de experiências...
Sinto saudades do cachorrinho que eu tive um dia e que me amava fielmente, como só os cães são capazes de fazer!
Sinto saudades dos livros que li e que me fizeram viajar!
Sinto saudades dos discos que ouvi e que me fizeram sonhar,
Sinto saudades das coisas que vivi e das que deixei passar, sem curtir na totalidade.
Quantas vezes tenho vontade de encontrar não sei o que... não sei onde... para resgatar alguma coisa que nem sei o que é e nem onde perdi...
Vejo o mundo girando e penso que poderia estar sentindo saudades em japonês, em russo, em italiano, em inglês... mas que minha saudade, por eu ter nascido no Brasil, só fala português, embora, lá no fundo, possa ser poliglota.
Aliás, dizem que costuma-se usar sempre a língua pátria, espontaneamente quando estamos desesperados... para contar dinheiro... fazer amor... declarar sentimentos fortes... seja lá em que lugar do mundo estejamos.
Eu acredito que um simples "I miss you" ou seja lá como possamos traduzir saudade em outra língua, nunca terá a mesma força e significado da nossa palavrinha.
Talvez não exprima corretamente a imensa falta que sentimos de coisas ou pessoas queridas. E é por isso que eu tenho mais saudades...
Porque encontrei uma palavra para usar todas as vezes em que sinto este aperto no peito, meio nostálgico, meio gostoso, mas que funciona melhor do que um sinal vital quando se quer falar de vida e de sentimentos.
Ela é a prova inequívoca de que somos sensíveis!
De que amamos muito o que tivemos e lamentamos as coisas boas que perdemos ao longo da nossa existência...

Clarice Lispector

quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

Eu te fiz feliz lembra?


Em dias assim cinza, nublado, chuvoso e triste a solidão se torna pior.
Ainda mais quando não se tem mais ninguém para chamar, quando não existe esperança de dias melhores, nem que a vida vai um dia te trazer novamente a felicidade.
Em dias assim, dormir seria a melhor opção, mas sem essa de acordar para ver o sol depois.
Ainda se a vida é ao longo injusta e triste.
Hoje sou um tanto faz para quem tanto fiz. Onde se tinha um belo amor, e o sorriso ao acordar.
Não escuto mais aquela voz e de longe vou ouvir, ela me abandonou.
Quem acreditou no pra sempre, fui somente eu.
Que dia triste, que dia infeliz.
Que vida decepcionante, que vida cruel.
Que capacidade eu tenho de seguir, se não existe amor?
A mesma que eu tenho de não querer levantar do chão.
Obrigada pela dor, pelo amor, pela solidão. Era o que eu precisava para não querer viver.
Que vida triste, que dia infeliz!
Foi você, fui eu... quem Não fiz.

"Muito presunçoso da minha parte, não é? Achar que eu podia fazer diferença na vida de alguém que nem conhecia."


sábado, 28 de novembro de 2015

Deu match no Tinder?

Tantas pessoas sozinhas no mundo, esperando "supostamente" encontrar alguém para completar sua vida e nada acontece.
Tantas pessoas juntas no mundo, esperando terminar o relacionamento para se sentir livre.
Não importa o ponto de vista, mas ambos querem ser feliz.

Tantas pessoas que acreditam que a vida é um leque de oportunidades para conhecer pessoas e seguir um relacionamento, um dia com uma, em outro com mais um outro alguém e por aí em diante.
Alguns aplicativos de celular lhe dão essa falsa ilusão de que tudo está ao nosso alcance, quando na realidade não está, nunca esteve. É como uma gôndola de um supermercado onde se pode encontrar vários produtos de diferentes marcas e sabores, cheiros e cores, e que nem sempre o seu dinheiro consegue comprar e aquele produto vai fazer bem a sua "bela" saúde.

E assim fica cada dia mais difícil encontrar alguém que se diferencie em meio a tantas pessoas iguais, a tantas laranjas podres que acham que somente o suco delas é doce. Sei que nem sempre a beleza é tudo, porém boa parte do conjunto de informações que alguém resume de você, se define apenas pela sua beleza externa, imaginando que a sociedade irá pensar de alguém ao seu lado.
Muitos usam máscaras para forjar aquela aproximação, entretanto se não possui uma boa conversa do que adianta estar ao lado de alguém vazio, é como se sentir sozinho mesmo rodeado de inúmeras pessoas.

E assim a busca continua, um like aqui, um like ali, um sorriso por acolá, um olá por onde for, e aquela papo clichê inicia mais uma viagem sem rumo, e na realidade sem futuro. E quando foi que algo teve futuro? Parece seres descartáveis, iguais aos produtos do supermercado, você usufrui do seu interior e jogou o pote fora, Porque simplesmente acabou a graça e foi logo substituído por outro pote, desta vez cheio, porque é novidade!

Não entendo como nos tornamos isso, como conseguimos perder a sensibilidade.



Sabe, aquele amor antigo, era isso que precisava ser cultivado, porque conhecer várias bocas, vários corpos, cabelos, olhos e sorrisos, é capacidade de qualquer um. No entanto conquistar a mesma pessoa várias vezes, é um dom para poucos, quase uma parcela mínima da sociedade, que vive hoje a lei do desapego. Da falta de reciprocidade, das insinuações e da falta de paciência.
Se não tem paciência, não tem amor, e sem amor não somos nada além de zumbis vagando pelo mundo.


quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Ela é de Aquário...


Não é por mal que ela desaparece.

Se parece que ela não se importa: isso não é, necessariamente, verdade. Em alguns casos, é. Mas normalmente o que acontece é que ela, cheia de dúvidas e anseios e mergulhada até o pescoço em tudo o que não consegue resolver, prefere erguer as sobrancelhas e mudar de assunto. Às vezes dói. Pra ela, na verdade, dói sempre.

Ela não consegue ver o todo. Se apega aos detalhes. Checa. Verifica. Cutuca e analisa até ficar irritada com a sua própria mania de não ficar na superfície. Às vezes gostaria de não afundar, mas não consegue. O abismo, o buraco, o mar, a correnteza – todas essas coisas lhe são caras e atraentes e ela prefere morrer nos braços das sereias do que só molhar o pé na areia.

Se preocupa tanto que não sabe se as bolsas sob os olhos são por conta das dificuldades pelas quais passa aquele amigo de longa data, ou por medo de acordar e descobrir que o mundo acabou em napalm, ou por medo do que mora dentro dela e que ela nunca quer ver sair de novo. Tem receio de se perder (e não percebe que é perdida por natureza – torta das ideias, coitada).

Coleciona besteiras. Papéis antigos, embalagens coloridas, garrafas de cervejas. Apega-se aos que passaram pela sua vida com um amor tão avassalador que nunca pede para que eles voltem. Acredita que são lindos mesmo quando estão do outro lado do mundo, e quer que permaneçam lá se estão bem. Ela os quer bem, no final das contas – até tenta guardar rancor, mas tudo passa. Tudo é inconstância, delírio, adeus. Segura o que precisa segurar. O resto, joga ao vento.

Tem mania de dizer o contrário, e pode trocar de lado no meio da conversa porque ou quer te provocar ou porque, realmente, sabe que eu nunca pensei nisso? É orgulhosa até o momento em que não precisa ser mais. Reconhece. Aceita. Às vezes se morde um pouco, quebra um vaso na parede, arrebenta um souvenir, mas: reconhece. Aceita. Se recusa quando precisa e não foge. Foge. Foge demais porque quer ser passarinha (e às vezes ela pensa que já passou da idade de querer qualquer coisa assim).  Muda. É uma pessoa nova quando acorda, outra diferente quando vai dormir.

Beija as mãos que lhe estendem porque acha que amor tem que ser dado assim: na palma aberta, para cima, em oferenda. Em doses que escorrem pelos dedos. Não quer nada que caiba dentro de um punho fechado.

Ela não sabe onde cabe. Às vezes, não cabe.


(Entretodasascoisas)


terça-feira, 10 de novembro de 2015

Ser feliz, ser mulher, ser amor

Tentar entender porque a maioria das postagens, textos, poesias que se expressava eram tristes, melancólicas, e com um impacto negativo de uma vida.
Entre tanto percebo que era tudo produto de uma imagem negativa que se tinha do amor, que se resumia na dor, porque era o que mais se vivia.
Mas, como a vida não pode ser vivida apenas no passado, é importante sair desse vício de tristeza, de pessoas tristes, de mágoas, de ilusão. Que nada acrescenta, se não dias nublados.
A vida pode ser tão bela, e tão curta, porque ficar preso em algo que fez você amadurecer?
Certamente, as marcas deixadas no coração, na alma, te fizeram ser essa mulher incrível que você se tornou hoje. Na mulher que merece ser amada, e que removeu tantas pedras pelo caminho, que hoje se tornou forte.
Aquela mulher que recebe elogios de inspiração para continuar trilhando um belo caminho, aquela mulher que tem os olhos mais lindos brilhantes e uma luz sem igual.
Quem não consegue ver o qual perfeita você é, talvez continue na escuridão.
E foi com essa mulher, que as frases de amor ganham sentido, ganham doçura e uma linda canção, pois somente ela sabe que entre o amor e a dor, só se alimenta a alegria de continuar vivendo, fazendo um mundo mais belo de se viver, com palavras, ouvidos e um enorme coração.
E que continuar no breu só resta para os fracos e sem perdão.
Porque o amor é puro, limpo e contagiante, e com ele tudo ganha sentido. Se não tem amor, não tem vida, não tem luz, não tem nada, nem capacidade de ser feliz.


Seja forte, saía do buraco, lá fora o sol lindo brilha esperando por você.


quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Da vida e suas consequências

Quem dera se alguém entendesse o meu coração.
Quem dera se quando eu me calasse, alguém me abraçasse.
Quem dera se a vida não fosse tão injusta.
Quem dera se o amor estivesse ao meu lado.
A vida é tão cheia de dúvidas, de maldade, de pavor, de distâncias, de desespero...
Quando posso ver o jardim que plantei?


segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Salve seu coração, não há nada errado contigo.


Há quem diga que estar solteiro não é sinônimo de solidão. É verdade, você não precisa de outra pessoa para ser feliz, pois a felicidade está dentro de você; nos seus projetos e em suas conquistas, na sua saúde e em sua família. Por outro lado, já ouvi gente feliz dizer que gostaria de ter alguém, um amor para compartilhar a vida e os sonhos. E explicam que estão sozinhos por falta de opção, porque está cada vez mais difícil encontrar alguém que esteja disposto ao amor e ao relacionamento.

Excetuando os solteiros convictos, aquelas pessoas que escolheram não ter um compromisso com alguém, os sozinhos que ainda não encontraram seu par costumam sentir certa confusão quando a tristeza lhes invade. E quanto mais tempo passa, o amor se torna uma decepção.

O problema é que a desilusão fecha as portas para novas possibilidades. Ao fim do dia, acostumado a voltar sozinho para casa, para sua cama onde não há risos nem vozes, apenas o silêncio de estrelas distantes, você se acomoda. E também se questiona “O que eu tenho de errado?”.

Você perde o sono, perde o tempo que poderia aproveitar enquanto se afoga em dúvidas. Sua página em branco lhe espera, mas você hesita. É… dá medo.

Veja. O amor requer coragem e disposição. Amar é ousadia. Se você não estiver disposto a fazer um relacionamento dar certo, pode ser que ele nem comece.

Por outro lado, ao conhecer alguém interessante, se você for com muita sede ao pote, acaba sufocando aquele que não consegue administrar suas expectativas e sua carência afetiva. Por isso, precisa deixar as coisas acontecerem naturalmente.

Pode parecer paradoxal, mas o enlaço entre duas pessoas precisa vir do desprendimento delas, de uma independência dos dois, mas sem individualismo. Porque no mundo cada vez mais individualista em que vivemos, onde estamos nos perdendo uns dos outros e até mesmo de nossos próprios anseios, estamos nos acostumando a relações superficiais e rápidas, que camuflam a essência do amor. Estamos até correndo o risco de desistir de amar.

É certo que essa maturidade exige esforço e compreensão. E por mais que você queira ter a companhia de alguém, você também já sabe o que não quer. Não se permite se entregar a alguém que não ouve os seus desejos e não se interessa por sua vida, e que não ri contigo das loucuras que você pensa. O que você procura é alguém que te impulsione para frente, alguém que faça valer a pena deixar de ser solteiro.

Enquanto isso, você se dedica ao trabalho e às viagens que deseja fazer. Lê poemas, mesmo sem os entender totalmente. Procura olhar nos olhos mais vezes que olha para a tela do seu celular. Faz exercícios físicos regularmente. Pratica a paciência. Pratica a paciência outra vez. Cuida do seu animal de estimação. Ri até chorar. Depois chora até o peito parar de doer.

Salve seu coração. Não há nada de errado contigo. Também não há nada de errado em querer alguém que sinta a simplicidade da vida nas entrelinhas, um ser imperfeito como você e que desperte em ti a vontade de ser uma pessoa melhor a cada dia.

Não tem problema se outras pessoas não entendem por que você é seletivo. Desde que a seletividade não o impeça de perceber que o amor é possível. Confie nas suas escolhas. Seja espontâneo. Converse com as estrelas quando elas forem as únicas a lhe fazerem companhia.

É como uma oração. Um dia você saberá… Um dia alguém vai aparecer na sua vida e te fará entender por que você esteve sozinho até agora.


sexta-feira, 23 de outubro de 2015

Quero tudo! Quero agora.

Quero um chocolate!

Pode ser ao leite, com castanhas ou amêndoas.
Pode ser branco com cookies, ou com amendoim.

Quero uma cerveja!
Pode ser importada ou brasileira, dede que seja gelada e não dê dor de cabeça.
Pode ser branca ou escura, mas que não tenha milho na composição, está perfeito.

Quero um elogio!
Pode ser sincero ou espontâneo, mas que não seja forçado.
Pode ser simples ou composto, mas que arranque um sorriso.

Quero um abraço!
Pode ser apertado ou curto, mas que te esquente a alma, mesmo no calor.
Pode ser cheiroso ou eloquente, mas que seja verdadeiro.

Quero um beijo!
Pode ser um selinho ou um beijão de cinema, mas que seja um beijo real.
Pode ser um furacão ou uma calmaria, mas que devolva a alegria.

Quero um amor!
Pode ser distante ou perto, mas que não me deixe sozinha.
Pode ser triste ou alegre, mas que me deixe feliz, já condiz.

Quero um passeio!
Pode ser em uma praça calma, ou na avenida, mas que curta minha companhia.
Pode ser a noite ou dia, mas que esteja presente de corpo e alma.

Quero tantas coisas, mas como tê-las? Se o único querer resume a uma só.
Tão longe, tão distante, mesmo perto...
Me traga amor, e não dor. Por favor!


terça-feira, 20 de outubro de 2015

Quando é que existe espelho?

Todos nós já ouvimos algumas frases como “tu não atrais o que queres, tu atrais quem és”, “tu estás com pessoas ou em contextos que têm a tua vibração” ou “o que não gostas nos outros é algo que rejeitas em ti”, mas será sempre assim? O que sinto é que as pessoas criam muitos dogmas e certezas, dando-lhes uma conotação demasiado generalista.

Cada vez que existe uma generalização, existe uma crença e cada vez que existe uma crença, no fundo a pessoa não quer admitir que não sabe, ela só acredita.

Quando  me  ensinaram  esta  teoria,  não  me  explicaram  algumas  especificidades  que  são importantes ter em conta. Isto fez-me andar a perder tempo com coisas que afinal não tinham teor para trabalhar.

Se algo ou alguém existe na nossa vida, pode estar relacionado com a qualidade daquilo que aceitamos. Nós atraímos de tudo, por isso é importante nos questionarmos porque aceitamos algo  em  detrimento  de  outro.  Ou  seja,  quando  surge  uma  pessoa  mentirosa  na  nossa  vida, pode existir espelho (também mentimos para os outros ou para nós mesmos) ou significar que nós somos pessoas que aceitamos as mentiras; se aparecer um abusador, que somos pessoas que permitimos abusos. Muitas vezes o que pode estar a operar são crenças limitadoras e não tanto os espelhos.

Outra  questão  está  relacionada  com  o  nosso  processo  de  auto-conhecimento.  Temos  duas formas  de  nos  conhecermos,  pelo  que  somos  e  pelo  que  não  somos.  Eu  tenho  uma  forte tendência e maior facilidade em conhecer-me por aquilo que não sou, se fores como eu esta forma de ver a vida pode influenciar e muito a nossa realidade e colocar-nos em grupos ou em interação com pessoas que nos vão ajudar a reunir informação sobre nós, em contraste.

Quando é que existe espelho?
Para existir espelho tem que ressoar connosco por afinidade ou aversão. Se estamos perante alguém que admiramos muito, isso indica que ela espelha  qualidades que existem em nós. Se estamos  perante  alguém  que  nos  irrita  muito  e  traz  ao  de  cima  atitudes  de  julgamento  e crítica, isso indica que há algo aí que é nosso.

Num Universo com tanta informação e milhares de pessoas de todas as formas e feitios,  um espelho vai  captar  a  nossa  atenção e  fazer-nos  sentir  emoções  agradáveis  ou desagradáveis acompanhadas de julgamento.

Se  estamos  num  local  com  neutralidade,  muito  provavelmente  somos  quem  leva  luz  à escuridão, serenidade ao caos e sabedoria à ignorância.

Quanto te vires num local com o qual não te identificas, não ressoa contigo, nem te “puxa os botões”, há uma grande probabilidade de outra coisa estar a operar que não a tua vibração ou espelho.
Nesse caso vais ter que fazer outra abordagem, sem criar mais problemas, karma ou teorias onde  elas não  existem.  Mantém-te  em  contato  com  o  que  sentes  e  estarás  alinhado  com  a verdade desse momento.


sábado, 17 de outubro de 2015

Bad Company

Aquele pensamento me entristece, aquele sentimento me deixa pra baixo...
Já nadei tanto contra a maré, já expulsei tantos medos e desconfortos, e ainda assim continuo me sentindo de mãos atadas. Como se eu me jogasse de uma ponte com os pés presos, sem saber como chegar a água, sem saber se amanhã ainda me sentirei assim.
Já corri tanto pra não pensar, para não deixar me levar e sempre volto naquela mesma dor, naquela que me mata, que me leva pra o abismo.
Nunca entendi como isso aconteceu, como ela surgiu e pra onde quer me levar? Fugir já não adianta mais, não consigo, não desprende.
E todas aquelas flores que brotaram no meu jardim, eu as arranquei sem dó, sem piedade, sem pensar duas vezes. Eram flores iguais, sem perfume e  sem cor, apenas brotaram como capim em um monte de esterco animal proliferando...

Até quando eu vou me deixar morrer todas as vezes?
Até quando eu vou ficar nesse mundo melancólico que não me pertence?

Como descobrir a cor lá fora se tudo o que vejo é cinza e preto, como a cor dos seus olhos.
Sempre que algo novo, colorido aparece, eu consigo transformar tudo em nada, simplesmente porque nada mais importa.

sexta-feira, 16 de outubro de 2015

Mereço alguém que tenha pressa de mim, que deseje…

Mereço alguém que não me torture com promessas de envelhecer comigo, mas que realmente envelheça comigo. Mereço alguém que se orgulhe do que escrevo, que me faça ser mais amiga dos meus amigos e mais irmã dos meus irmãos.

Mereço alguém que nunca abandone a conversa mesmo quando eu não sei mais o que dizer. Alguém que, nos jantares entre os amigos, dispute comigo para contar primeiro como nos conhecemos.

Mereço alguém que goste de conduzir para nos revezarmos em longas viagens. Mereço alguém disposto a conferir se a porta está fechada e a máquina de café desligada, se o meu rosto está aborrecido ou esperançoso. Mereço alguém que prove que amar não é contrato, que o amor não termina com os nossos erros. Alguém que não se irrite com a minha ansiedade.

Mereço alguém que possa criar toda uma linguagem cifrada para que ninguém nos recrimine. Alguém que arranje bilhetes para um concerto de repente, que me sequestre e me leve ao cinema, que cheire o meu corpo suado como se ainda fosse perfume.

Mereço alguém que não largue as mãos dadas comigo. Mereço alguém que me olhe demoradamente quando estou distraído, que me telefone para narrar como foi o seu dia. Mereço alguém que procure um espaço acolchoado no meu peito para repousar. Alguém cuja única mentira que me conte seja de que cozinhou o jantar e só diga a verdade depois de eu ter comido.

Mereço alguém que tenha uma risada tão bonita que terei sempre vontade de ser engraçada. Mereço alguém que comente a sua dor com respeito e ouça a minha dor com interesse.

Mereço alguém que não se perturbe com o que as pessoas pensam a nosso respeito. Mereço alguém que seja divertido nos momentos de alegria mas que não perca a doçura nos momentos de tristeza.

Mereço alguém que goste de passar o domingo em casa, acordar tarde e andar de chinelos, e que me pergunte o tempo antes de olhar para as janelas. Mereço alguém que me ensine a me amar porque a separação apenas me vem ensinando a me destruir.

Mereço alguém que tenha pressa de mim, que deseje…


quinta-feira, 15 de outubro de 2015

Você já tomou morfina?

Alguma vez você já sentiu tanta dor que nenhum outro medicamento fizesse uma melhora significativa na sua dor?
Ou já sentiu uma dor assim? Tão forte que te incapacita de andar, de mexer as pernas, levantar, fazer coisas rotineiras, porque a dor te trava.
Pois é assim que me sinto, uma dor intensa, sem essa de "mimimi", sem essa de drama, porque é realidade. Uma realidade nua e cruel.
Tirando a dor e aquele medicamento que eu não posso comprar em uma farmácia sem receita. Como você gostaria de se sentir?
Nesses momentos, faz falta alguém que te cuide, que saiba quando sua dor é real ou coisa imaginária.
Nesses momentos, sentir-se sozinha aumenta mais a dor, aumenta as lágrimas, aumenta a ansiedade, aumenta sua vontade de se isolar.
Não quero ser vítima de nada, nem ouvir palavras tristes nesse momento.
Quero um abraço, um colo, um aconchego, um cafuné, uma dose extra de morfina e descansar.
Quero poder sentir-se segura, amparada, amada e importante.
Nada de conversinhas, de frases prontas, de desprezo ou risadinhas... a dor é séria!
Somente quem sente, sabe de quanto a vida perde a graça, e o carinho salva.
Apenas cuide! Um dia pode ser você deste lado, e você gostaria de sentir na solidão?! Eu sei que não...


quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Atitudes!


Quem disse uma vez que tudo seria fácil, não soube o quanto a vida tem sido difícil e complicada, que não sabe como existe inúmeras dificuldades pelo caminho, a cada dia, a cada momento...
Quem me disse uma vez que tudo seria fácil, não esteve ao meu lado quando eu mais precisei.
Quem disse que envelheceria comigo, não faz parte da minha vida.
Quem vive a minha realidade não sabe a alegria e nem a dor que teu tenho no coração.
Palavras todos falam, mas o que conta é as atitudes.



sábado, 10 de outubro de 2015

Sem ser, sem você, sem mim...

Queria tanto ser o amor de alguém.
Aquele amor tão lindo, tão simples, tão puro.
Como música que embala, que encanta e emociona.

Queria tanto ser o amor de alguém.
Aquele amor antigo, novo, presente.
Como uma mensagem que te faz sorrir, te faz cantar e ver as cores do mundo.

Queria tanto, tanto, como aquele adolescente que ama sua melhor amiga em silêncio e depois de tempos, se declara e algo mágico acontece.

Queria tanto ser o amor de alguém.
Como algodão doce e chocolate para adoçar a vida.
Como o suspiro gostoso de uma paixão.
Como andar de mãos dadas pela rua cheia de flores.
Como receber aquela cartinha com poesias e aquele cheirinho todo especial.

Queria tanto ser o amor de alguém.
Sentir aquela abraço apertado e ao mesmo tempo suave como uma brisa.
Sentir que faço alguém feliz, e estar feliz é algo tão sublime.
Pena que não existe esse amor, não tem alguém que morreria por mim, que me esperaria no anoitecer e nem no amanhecer. Que ligaria para saber se estou bem e me mandar um beijo.

Que sentaria comigo e ficasse observando as estrelas, a lua, e os disco-voadores.
Que sentisse tanto a minha falta, que não me deixaria ir embora, jamais.
Queria tanto ser o amor de alguém, e vou apenas querendo... sem ter.
Sem ser, sem você, sem mim...


quarta-feira, 7 de outubro de 2015

It's not even teacher personal?!

Existe algo que me irrita mais do que pernilongos ninjas, acredite se quiser. O quê? Seres que dizem: “Você é a pessoa certa na hora errada.” Ou: “Quero muito ficar com você, mas estamos em timings diferentes…”.




Por que não afirmam que preferem a moça da faculdade, que não querem sair da pista ou que não estão a fim, simplesmente?

Por que optam por uma desculpa tão sem sentido e que, inevitavelmente, deixa um doloroso – e desnecessário – quê de esperança no ar? Covardia, só pode ser.

A verdade é uma só: se ele realmente lhe achasse a pessoa certa, o fato de estarem em timings diferentes não seria suficiente para motivá-lo a lhe dar tchau, sem antes fazer o possível – e o impossível – para tentar promover uma conciliação de ponteiros, corações e agendas.

Deixar uma pessoa especial passar sem sequer lutar para fazê-la ficar? Não, não faz sentido.

Eu sei que ele lhe falou que está focado na carreira – e outros blábláblás que contêm as palavras “promoção”, “foco” e “oportunidade” -, contudo, se ele realmente quisesse muito ficar com você – como afirmou antes do “mas” -, nenhuma meta de vendas superaria a vontade que ele sentiria de fazer dar certo com você.

Nenhuma chance de virar presidente da empresa pareceria tão imperdível quanto o desejo de se tornar o causador oficial – e insubstituível – da sua alegria. Não acha? Pois eu tenho certeza.

Achar que só dará certo se encontrar alguém que se encontra em um momento de vida parecido com o seu é uma ilusão monumental, um mito, coisa de quem ainda não presenciou os sacrifícios dos quais um ser apaixonado é capaz.

Dará certo se ele estiver disposto a transformar o momento – qualquer que seja ele! – em momento certo – e se você estiver disposta a fazer o mesmo, obviamente.

O acontecimento de uma relação pouquíssimo depende da compatibilidade de signos, idades, momentos, gostos musicais ou agendas.

O acontecimento de uma relação depende, antes de qualquer coisa, da vontade que ele tem de se transformar em uma peça compatível à sua vida (e vice-versa).

Você acreditou quando ele disse “Não dará certo porque moramos longe”? Pois saiba que ele mentiu, na cara dura. E que a distância não foi a principal razão pela qual a relação de vocês não vingou.

Não deu certo porque ele estava bem longe de estar a fim, isso sim! Muito longe de lhe encarar como um motivo para enfrentar a estrada, o preço alto da gasolina e os esforços necessários para aqueles que desejam encolher lacunas e aniquilar saudades lancinantes.

Timing? Timing de c* é r**a! Parodiando o cúmpadi Geraldo Vandré: quem quer faz a hora, não espera acontecer nem fica inventando “poréns” para não rolar.

A vida surpreende...

E foi assim ao som desta música em um sábado assistindo ao show de "Corleone", que eu vi aquela resposta que ficou perdida naquele ano de 2013. Me virei e olhei pra trás e percebi que estava tudo ali na minha frente tudo o que eu queria saber, colocar os pingos nos "i", tirar aquele peso de algo que nunca fiz.
E eu só tinha uma chance, era falar ou calar para sempre.
A vida sempre nos trás a tona tudo no seu momento certo, no dia marcado... é só saber aproveitar.
Livrar-se de uma culpa não cometida, até que rendeu um começo de uma amizade, pois existia tantas coisas em comum. E os gatos eram a melhor parte.


Poderia ficar aqui por horas escrevendo como aquilo me fez sentir bem, mas foi apenas parte de uma história que se resolveu, de uma história sem ponto final, ainda tem tantas outras palavras que eu ainda busco respostas... e sei que como tudo se resolve, logo tudo ficará perfeito e nada mais me afetará tanto como algumas vezes afetou.
Algumas coisas vão ficando pelo caminho, outras vão sendo agregadas, mas o importante é se sentir feliz em todas as vezes.



quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Well, you're standing on my sternum.

Eu queria ter compreendido todas as respostas, mas elas estavam mascaradas e eu não vi.
Eu queria ter passado mais tempo com algumas pessoas, mas elas não mereciam meu tempo.
Muitas vezes queremos tanto que algo seja como gostaríamos que fosse, que desenhamos corações onde não existe nem flor, tentamos entender porque fazemos isso, mas muitas coisas não tem explicação.
Muitas vezes parece que tudo vai dar certo desta vez, e percebemos que não era nada daquele filme romântico que assistíamos todos os dias. Que aqueles sorrisos gostosos que ficávamos apreciando, não passava de ilusão. Aquelas palavras tão suaves ainda tocam no sino lá da igreja, mas eu nem escuto mais.
Aquela sintonia boa que estava tocando naquela música entre nós, mudou de estação?
Não vou dizer que tudo foi em vão, mas foi algo que passou, mesmo eu querendo tudo outra vez.
Tantas desculpas, tantos beijos, tantos abraços e carinho em mim ainda resta um pouco de você.
Confesso que ficou aquela marca, como aquela tatuagem que fiz nas costas, pra não lembrar eu não olho, fica apenas na lembrança de dias melhores, dias de alegria envolvido em você, se perto, ou junto, mas felizes...
Você era lindo, mas ficaria bem mais lindo comigo.



Psiu! Um beijinho na ponta desse nariz!

terça-feira, 29 de setembro de 2015

Por onde andam as pessoas boas??

São essas pessoas que o ajudam a se reconstruir com um simples abraço, e com elas você divide a sua vida. Ensinam coisas boas e mostram que o mundo pode ser um lugar maravilhoso para viver. Acima de tudo, as pessoas boas encontram em cada dia razões para lutar e serem felizes.

Elas não são arrogantes ou paternalistas, ao contrário, são pessoas pacientes. A paciência é a virtude que abrange a capacidade de dar liberdade e margem de erro para as pessoas ao seu redor.

A bondade é um bem raro, mas talvez mais comum do que imaginamos. Nem todo mundo é bom ou ruim em sua totalidade; dentro de nós acomodamos o bem e o mal. Tudo depende de como reagimos aos acontecimentos.

No entanto, muitas vezes encontramos pessoas que não foram corrompidas pela sociedade e seus interesses; não são capazes de ferir uma mosca. Você pode reconhecê-los facilmente, porque é a melhor pessoa que conhece e está sempre se aprimorando e buscando ser uma pessoa melhor. Desde que a conheceu, você se tornou mais forte e corajoso.
A bondade genuína tem a coragem de defender o que é certo

As pessoas boas têm um senso de direito e justiça muito especial. Suas palavras são sempre encorajadoras e tomam decisões que são verdadeiras “lição de vida”.
Elas vão além das obrigações morais e estão sempre prontas para ajudar. Fazem a coisa certa, mesmo que ninguém esteja olhando, e isso é muito valioso.
Ser uma pessoa boa é uma das maiores qualidades que podemos alcançar.

Em algumas pessoas a bondade é inata; são sensíveis ao sofrimento alheio e têm a capacidade de ajudar. É essa sensibilidade especial que torna essas pessoas inesquecíveis. Além disso, há momentos em que a bondade se mistura com a doçura e a pessoa se torna excepcional.
O lado positivo disso é que todos nós podemos nos tornar pessoas melhores. O objetivo da inteligência emocional é a bondade.

As pessoas boas são diferentes
Ao invés de tentar ser diferente, tente ser bom. Se for bom, será diferente. O que importa é a ação e o resultado final.

A vida de cada pessoa afeta milhares de outras no mundo, e o que fazemos pelos outros nos afeta diretamente. Por isso, é importante aproveitar esse efeito multiplicador.

As pessoas boas são feitas de um material diferente
As pessoas boas são sábias pois entendem, consciente ou inconscientemente, que o que fazemos aos outros fazemos a nós mesmos.

A melhor forma de recompensar uma pessoa boa é através da gratidão. Essas pessoas estão cientes de que, de uma forma ou de outra, a vida lhe devolve o que fez de bom ou ruim.
No nosso mundo ideal, achamos o sofrimento injusto, mas o sofrimento faz parte da vida. As melhores pessoas que conheço enfrentaram a dureza e as injustiças da vida. Já se sentiram vulneráveis e sem esperanças.

As melhores pessoas não são necessariamente as mais bonitas por fora, mas possuem uma beleza especial. São pessoas bonitas aquelas que aprenderam a perdoar, seguir adiante, persistir e estender a mão, descobrindo assim a grandeza do seu ser.



Obrigada a todas essas pessoas bonitas que nos dão tanto sem esperar nada em troca!
Seu valor é incalculável.

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Por isso hoje eu estou partindo...

Quem quer não adia, aparece. Quem quer te ver agora, não vai deixar pra amanhã, mesmo que a distância seja incalculável ou já seja tarde pra isso. Quem quer, não deixa pra depois o que pode ser feito agora. Quem quer ficar, fica sem que a gente precise implorar. Quem quer cuidar, simplesmente cuida. Quem quer, provavelmente não vai suportar a saudade, não vai poupar sentimento e entrega pra te ter.

Quem quer, arruma um jeito. Quem sente vontade, faz saudade virar encontro, faz cinema virar motel, faz o cansaço virar amasso, faz dias frios mais quentes. Quem quer é capaz de viajar 100 quilômetros só pra te ver, e não interessa se o tempo fechou tão rápido, quem quer não vai pensar duas vezes em te ver hoje ou deixar pra próxima semana. Quem quer, não vive de conversas, não perde tempo, não arruma mil e uma desculpas pra justificar que não vai dar pra te ver hoje porque o dia foi cansativo demais.

Quem tem saudade do teu sorriso não se contenta só em ouvir a tua voz pelo celular, quem quer estar com você sentirá necessidade de te ver pra conversar sobre como foi o seu dia, sobre todas as coisas que te fez perder a cabeça e vai entender que é melhor te abraçar nos momentos mais difíceis do que te mandar um ''fica bem'' por mensagem. Quem quer te fazer bem, vai bater na tua porta com chocolates que comprou no meio do caminho pra tua casa e cervejas - é que o dinheiro era pouco e o vinho era caro. Quem quer realmente te ver, não esperará por um feriado ou por dias melhores que não tenham provas, nem muito trabalho pra fazer.

Quem quer te ver, não vai se lamentar, vai vestir a roupa mais próxima e sair com sorriso mais sincero ao teu encontro. Quem quer, não vai reservar um tempinho pra você ou um horário fixo pra te ver, vai te reservar a vida e vai te ensinar que quando a gente ama, a gente não mede esforços, a gente não quer o outro pra preencher aquele espaço que sobra na cama ou aquele tempo vago nos finais de semana. Quando a gente quer, a gente aceita o outro pra somar na vida, pra abrigar e torna-se abrigo, pra unir dois mundos.

Quem quer ficar, vai fechar os olhos em teu peito e permitir, sem medo, acordar só noutro dia. Quem quer, vai fazer corpo mole pra não levantar da cama e não sair da tua vida, vai roubar tuas manhãs, vai jogar os braços por cima de você e quando você perguntar se a posição da tua cabeça tá doendo nele, ele vai te responder que não. Quem quer ficar na tua vida, não pensará duas vezes antes de entrar. Ficará pro café da manhã e se possível pro jantar, é que o gosto do teu beijo vicia e ele seria burro em não prová-los ao máximo.

Quem quer ficar, vai encostar a cabeça em teu ombro e vai te deixar descobrir todos os medos e segredos, erros e defeitos, vai apertar a tua mão pra tentar te dizer algo em silêncio, e vai se despedir de você sem te tirar nada, te permitindo a liberdade e te deixando com aquela sensação de querer viver tudo e mais um pouco ao lado dela. Quem quer você, tem vontade de te repetir, de tomar todos os gostos com teu sabor, de provar todas as aventuras com você sem te dizer que precisa pensar, sem te dizer: ''hoje não dá'', ''deixa pra amanhã'', ''não tô a fim''. Porque quem quer, arruma um jeito. Quem não quer, arruma uma desculpa.




sexta-feira, 25 de setembro de 2015

Amo sua loucura declarada...

Depois de alguns dias sem nada pra escrever... hoje foi um dia para retomar.
Muito foi preciso para que eu chegasse à esta confissão.

E agora confesso.

Quero dizer que você eu amo. Amo mais do que tudo. Amo com todos os seus defeitos, e eu posso dizer que já conheço cada um deles. Amo seu corpo com todas as suas imperfeições. Amo você a cada dia um pouco mais, mesmo que com isso você envelheça. Porque amo quem você é por dentro. Amo sua alma, seu jeito de acreditar nas coisas. Amo sua loucura declarada, sua paixão pela vida e sua vontade de amar, ainda que tenha quebrado a cara tantas vezes.

Amo você com toda essa sua história escondida, desde os tempos de infância até os últimos anos, sobre os quais você não gosta de falar. Amo você, mesmo quando se magoa com a falta de reciprocidade de seus amores, de suas iludidas paixões. Amo essa sua vontade compulsiva de falar; de se abrir, por palavras faladas ou escritas. Amo você assim.

Aprendi a amar você aos poucos, mesmo quando outros não o fizeram como você esperava. Entendi que outros não amaram você, porque simplesmente não puderam compreender a sua essência. Talvez nem tenham visto, quem você é de verdade. E mesmo assim eles tiveram o seu amor. Demorei a compreender e aceitar você. Com todos os males que você carrega, e ainda que sejam muitos, percebi que com meu amor, seus fardos ficaram mais leves.

Desde que amei você, seu sorriso ficou mais largo e constante. Seus risos subiram de tom e até seu corpo se tornou mais suave, com mais gingado.
Apesar de todas as suas dores, vejo em você uma força que guia seus passos sempre para frente. Uma força que não sei de onde vem, mas que me inspira e contagia.

Apesar dos seus dias ruins, nos quais você se pergunta “Afinal, pra que isso tudo? Quando é que tudo isso vai acabar?”, vejo no fundo uma esperança no viver que parece não ter fim.
Vou viver ao seu lado até o fim de meus dias. Decidi ser fiel à você, à todos os seus desejos e loucuras, ainda que uma sociedade inteira condene seu jeito de ser. Assinarei embaixo de cada atitude sua, de cada palavra e até de cada insanidade.

Vou com você buscar outros amores, outras paixões, desde que não se traia. Conte comigo. De você aceitarei tudo: seus momentos de fraqueza e de tristeza; você pode. Mas não vou admitir que se traia novamente, tentando ser o que não é. Quero ver você satisfazendo seus próprios desejos.

Quero viver a alegria de ser você, com todas as dores que isso possa representar.

Gosto de quando olha pro passado e tenta entender cada episódio de sua vida como um aprendizado, como em sua cabeça tudo faz sentido e, cedo ou tarde, tudo se encaixa. Mas gosto mais ainda de como olha pro futuro, dando espaço ao seu presente, de ser o que quer que seja. Gosto do seu desprendimento, da sua energia e vontade de mudança, do seu ritmo, que varia de acordo com a dança de sua vida.

Amar você foi a melhor coisa que já fiz. Me desculpe, por todo mal que já causei com a falta do meu amor. Me perdoe pelas vezes em que não aceitei você, causando tão intensa dor. Perdão quando não deixei você sofrer o que precisava e teve que prender o choro. E mesmo assim você derrubou suas lágrimas incontidas. Me desculpe por toda falta de amor e pelos falsos e poucos amores. Você merecia mais, eu sei. Agora eu entendo tudo muito melhor.

Você precisava de mim e de todo meu amor, que agora é todo seu. E sempre será.
De mim, pra mim mesma.


terça-feira, 8 de setembro de 2015

Ainda Não Passou...



Enfim não vou mais postar nada nesse blog, por tempo indeterminado...
Não tem mais graça, não tem mais vontade, não tem mais vida.
Tudo ficou cinza e morre lentamente.

Não tem mais porquês, não tem mais motivos...
Não tem mais nada... só restou tristezas e lembranças mais tristes ainda.
Não vale a pena... prefiro morrer!
E realmente terei que ir embora desta cidade, para não encontrar mais nada perdidos por aí...






sábado, 5 de setembro de 2015

Always in my head...

Mais uma vez ele viu o relógio mudar rapidamente de 6 para 7 os minutos da quarta hora da madrugada. Apesar da quase rotina, esse hábito ainda causava um certo desconforto; parecia haver hora certa para lembrar dele. Balbuciou o palavrão de sempre, estalou os dedos e procurou os óculos no escuro. Já previa a dor nos olhos antes mesmo de acender a luz, então decidiu descer a escada no breu mesmo. Abriu metade da janela, observou a chuva por alguns minutos, lembrou das noites chuvosas ao lado dele, lembrou do vidro embaçado e da música suave das gotas atingindo-o, lembrou do edredom roxo ou violeta ou púrpura – nunca soube qual a verdadeira identidade cromática do negócio e também não levou o assunto à ele – e do gato dormindo embaixo da cama. Lembrou dele, do sono dele, da maneira como os olhos dele se apertavam quando ele dormia, das asas redondas do nariz, dos lábios carnudos convidando-o para um beijo. Lembrou do cheiro da respiração dele e respirou profundamente, como que querendo encontrar tal cheiro no ar. Falhou.

Foi acordada do sonho-acordada por uma distante sirene de polícia, andou lentamente até o fogão e aqueceu uma medida de leite. Enquanto aguardava, reparou na quase dúzia de folhas de caderno escritas e rasuradas e espalhadas na mesa numa ordem que somente ela entendia. E nessas folhas, palavras que somente ele entenderia.

Sonhou de novo, e dessa vez com os vários bilhetes que escondeu pelo quarto dele, bilhetes recheados de pequenas juras e promessas e micro-elogios que arrancariam dele aquele sorriso que só ela conhecia, bilhetes assinados pela metade, que mostravam o quão inteiro ela era com a metade dele. Acordou novamente, dessa vez com o cheiro de leite fervendo, xingou a vaca, disfarçou muito mal um sorriso, terminou de preparar o capuccino e aqueceu a garganta com goles curtos. Era normal esquecer do mundo quando se lembrava dele. Era comum.

Largou a xícara na mesa, apagou a luz e, antes de voltar à cama, viu a luz amarela e deprimida de um poste atravessar a janela e repousar na cadeira ao lado. Como previsto, sentiu o costumeiro aperto no peito e também a solidão tocar-lhe os ombros. Tudo naquela casa lembrava dois, à dois, os dois, mesmo sem nunca ter existido dois naquele espaço. Repare bem: naquele espaço. A cadeira vazia servindo de repouso para o violão, o número de talheres e pratos e copos, a mesa redonda e pequena, o box do banheiro, a cama de solteiro (para dormirem mais próximos). Sentiu o chão gelado abaixo dos pés e desejou os pés dele colados nos dela. Voltou pra cama, olhou a foto dele na tela do celular, rezou por ele e reclamou consigo mesmo, com seu próprio deus, sobre as lágrimas que se acumulavam nos cantos dos olhos contra sua vontade. Alguns minutos depois da quarta hora da madrugada, ela tirou os óculos e os deixou no chão mesmo; ele não estaria ali para pisar neles meio que por engano. E como esperado, não dormiu.


sexta-feira, 4 de setembro de 2015

Tell me you love me...



Foram inúmeras tentativas, incontáveis...
Ao abrir a boca só conseguia pronunciar: adoro você, você é fofo, você é especial, mas o “EU TE AMO”; nem pensar.

Já tinha tentado, ensaiado, coreografado, mas não saía; parecia que a garganta travava, que as cordas vocais falhavam... Pensei ensaiar em frente ao espelho, talvez fosse melhor, mais fácil, afinal, haveria “alguém” para quem dizer...me concentrei e olhei dentro de “meus olhos” refletidos no espelho...e continuei olhando...e igualmente não consegui...e mais, foi a pior tentativa; a imagem que me olhava do espelho em nada se parecia comigo... a imagem para quem eu “precisava” dizer EU TE AMO, me era desconhecida...

A princípio fiquei estática, pensando ser o meu “congelamento” comum ao querer dizer a “maldita” frase, mas algo diferente acontecia; eu não conseguia desviar meu olhar “daquela” que do “outro lado” me olhava...ela me incomodava, ela me “observava”, como tentando decifrar-me, não piscava...e eu que ali parei só para treinar dizer uma simples frase, agora não conseguia sequer sair dali, mas que droga!!

Mas por que? Por que eu também não desviava meu olhar? Por que também eu não conseguia sair de frente do espelho e parar de olhar para aquela “desconhecida” que não cansava de me mirar?
Algum tempo havia passado, de repente eu tive a nítida sensação de que “aquela estranha” se aproximava mais, que sua imagem chegava mais perto de mim, apesar de eu sequer ter me mexido. Vi um sorriso, quase imperceptível em seus lábios, e disse para mim mesma: ok, agora enlouqueci de vez, faltava pouco, agora eu consegui!!!
Aquela “estranha” olhou-me mais fundo; paralisei, e com a voz mais suave que meus ouvidos já puderam sentir, “ela” me disse: EU TE AMO!!

Sacudi a cabeça, abri e fechei os olhos várias vezes, mas ela continuava ali, me fitando da mesma forma, com aquele mesmo sorriso, e novamente, quase que soletrando “ela” docemente, suavemente repetiu: EU TE AMO!!!

Nesse instante o tempo parou; no rosto da “estranha” eu vi todas vezes, as muitas, incalculáveis vezes que EU NÃO ME AMEI, todas as vezes que ABRI MÃO DE AMAR, todas as vezes que por quaisquer tolas razões EU FUGI, que NÃO ME PERMITI ME AMAR...
E apesar de todas as lágrimas que corriam em minha face, eu sorri para aquela que já não me era estranha, eu retribuí o sorriso daquela que eu antes desconhecia, e neste momento, o sorriso que refletia no espelho me parecia conhecido, não mais da “estranha”. As linhas dos olhos eram idênticas, o desenho das sobrancelhas era o mesmo... e com o coração pulsando e o sangue correndo velozmente em minhas veias, eu olhei fundo para aquele olhar e finalmente... “EU TE AMO”.
Aquele semblante suave, agora idêntico a mim, foi lentamente esvanecendo no espelho, mas ainda com suave sorriso nos lábios, e antes que ela pudesse dissipar de vez, eu ainda pude mais uma vez olhá-la e dizer; EU TE AMO!!

Nosso tempo passou?

Eu poderia ficar acordada a noite inteira, apenas para ver-te dormir. Observar seus sorrisos involuntários ao sonhar. Poderia ficar presa em torno de seus braços em algo por volta do para sempre.

Gostaria de entender as razões pelas quais não me sinto mais parte de seu mundo. Nem ao menos me sinto amada por alguém. Me sinto vazia. Não sinto nada. Seria isso ruim?
Gostaria também de encontrar alguém que fosse como eu. Que me dissesse algo  que melhoraria instantaneamente meu dia. Com um sorriso que me fizesse sorrir. Alguém que conseguisse provar que o amor existe e que eu tenho sim, motivos para acordar sorrindo todos os dias.

Gostaria de poder ficar acordada a noite inteira, apenas para sentir a respiração desse alguém. Desse alguém que agora só mora em meus sonhos.




quinta-feira, 3 de setembro de 2015

Obrigada e volte sempre.

Sim, eu queria te agradecer por todas as noites que passei chorando por você. Por todos os chocolates e brigadeiros que eu comi pensando em você. Queria agradecer por todas as festas que recusei, por ter medo de te encontrar e não saber como agir. Queria te agradecer por me mostrar que depois de tanta felicidade eu ainda poderia sentir dor, e que essa dor me ajudaria a ficar melhor.

Quando você deixou o meu coração em pedaços, eu pensei que nunca seria capaz de juntar todos os caquinhos que foram espalhados pela sala, pelo quarto, pela varanda, pela cozinha e por todos os lugares por onde a nossa história passou. Eu pensei que para sempre eu teria furinhos no meu coração e que eles jamais pudessem ser preenchidos novamente.

Você partiu meu coração e partiu, não deixou nem mesmo uma cola para que eu tentasse repará-lo. Não me mandou notícias, não se preocupou comigo. Logo você que sempre foi tão atencioso, que sempre quis me proteger, que sempre esteve ao meu lado. Você apenas abriu a porta, trancou e jogou a chave fora, sem chance e nem vontade de abri-la de novo algum dia.

Obrigada por me fazer lembrar que existem sentimentos que eu pensei que nunca mais poderia sentir, obrigada por me deixar ao lado do telefone por dias e dias esperando por uma ligação sua. Obrigada por me fazer olhar as nossas conversas mais de um milhão de vezes procurando onde eu poderia ter errado, procurando saber onde EU estraguei tudo, onde eu fiz com que você deixasse de me amar. Obrigada por me fazer acreditar que eu poderia ter alguma culpa por uma decisão que foi sua, que eu poderia ter feito algo diferente.

Mas, apesar de tudo, eu te agradeço pelos momentos que vivemos, os bons e os ruins, os risos e as brigas. As músicas, as poesias, as brincadeiras, que só nós dois entendíamos. As risadas, que não foram poucas. Você fez parte de uma história que eu vivi, mas que, infelizmente, acabou.

Eu aprendi que as coisas nem sempre são como nós planejamos, que finais felizes são realmente finais e apenas existem nos filmes da Disney. Que depois do “Happy End” ainda existe uma vida inteira pela frente e, infelizmente, não podemos viver em uma bolha que repele as coisas ruins, pois coisas ruins acontecem com pessoas boas o tempo todo. Não existe um culpado pelo o que não deu certo. Aquele papo de que “não é você, sou eu” é mais furado que blusa de telinhas.

Quando eu tive o meu coração despedaçado por sua causa, eu aprendi que eu posso ser forte, eu aprendi que todos os clichês estavam certos e que, sim, o tempo é um dos melhores remédios. Eu descobri que um coração partido nunca será o mesmo de antes, mas que ele pode se tornar um novo coração. Por isso, e por tudo, eu agradeço pelo dia em que você partiu meu coração, pois nesse dia eu percebi que eu poderia viver, mesmo sem ter uma parte de mim.


Hold on to what you've got, Let go of what you're not.


Então ele foi lá e fez... todas as coisas que eu já sabia de cor que ele faria, que acharia uma maneira de me ferir, típico. Eu já sabia de quais eram as músicas e as pessoas que ele voltaria a ouvir. Eu já sabia quais eram as palavras e as poesias que ele voltaria a declamar. Eu já sabia dos lugares que ele voltaria a andar e porque iria até lá.

Eu já sabia quantos amigos ele voltaria a ter, e quais manteria distância.

Eu já sabia de tantas coisas, mas queria acreditar que não fosse real. Já sabia como e porquê!

Eu já sabia quais fotos ele guardaria e quais esqueceria na gaveta, eu já sabia de quais características ele viveria e porque queria sempre manter a estatística de beleza.

Eu já tinha escrito e reescrito tantas palavras aqui... mas que achei melhor apagar.
Eu já sei onde isso iria dar, onde deu e onde continuará dando.

Quais são as pessoas que serão encontradas, quais as cores que serão admiradas, e quais os olhos que serão contemplados. Pena que ele jogou todas as nossas lembranças pela janela, quando alguém lhe deu a mão.

Quisera eu também feito o mesmo, pena que eu não sou de papel, e não tenho sentimentos descartáveis. Se o tempo for meu amigo, ele vai me ajudar a entender.




quarta-feira, 2 de setembro de 2015

Aliás, para bom entendedor, um pingo é chuva.


As prateleiras de produtos bipolares do Mercadinho das Ilusões estão repletas de novidades para os que padecem de velhos dilemas como ser ou não ser, comê-la ou não comê-la, casar-se ou comprar uma bicicleta de 12 marchas com câmbio Shimano. Mesmo sem pedirmos, a vida nos reserva os seus intrincados joguetes, encruzilhadas, novelos e atropelos. É pegar ou largar.

Percebendo o alastrado nicho de pintos — nós — a ciscarem infelizes no lixo, o Mercadinho das Ilusões abarrotou as suas gôndolas com produtos indefectíveis, emoções perecíveis e dramas por sinal risíveis. Quem quiser, que faça uso para um bom combate. Aliás, para bom entendedor, um pingo é chuva. Eis a mercadoria em promoção do texto de hoje:

Livros de “como fazer amigos” para quem detestou “Cem Anos de Solidão”. Velas de 7 dias para queimarmos de segunda-feira a domingo. Valas rasas para enterrar desilusões profundas. Partos naturais a seco para o beneficio dos fetos hidrofóbicos. Pás mecânicas para amores encalhados. Binóculos para estúpidos cúpidos. Câmaras de gás hilariante para rirmos das próprias desgraças.

Chicotes de vento para os domadores de palavras. GPS para percorrer os labirintos de uma mulher. Corações de lata para quem não se permite sair dos trilhos nem que seja para descarrilar um pouquinho. Pelotões de fuzilamento para matar a saudade.

Dores de cabeça para conter o ímpeto das ninfomaníacas. Bonecas infláveis que dizem eu te amo. Pilhas alcalinas para amantes sem vibração alguma. Salvas de canhão em tributo a um grande amor que já morreu. Cancros moles para quem tem coração duro. Bíblias traduzidas para a língua do pê. Defesas milagrosas para goleiros ateus.

Sandálias que não soltam as tiras de quem já está com um pé na cova. Óculos de cebola para homens que nunca choram. Passeios de buggy nas dunas de Natal — com emoção — para desconsertar pessimistas. Balas de festim para casais-felizes-para-sempre-até-que-a-morte-os-separe. Uma penca de advogados.

Tornozeleiras eletrônicas para deputados federais com mandatos vigentes. Esquinas completas — vão ver se estou numa delas! — para humanizar Brasília. Planos de fuga do Plano Piloto. Ordem e progresso. Penitenciárias de segurança mínima pra facilitar a fuga da verdade. Prisão perpétua para o amor dentro do peito.

Planos de Doença para suicidas potenciais. Asas da imaginação para voar nos céus das bocas. Mentiras convincentes para serem ditas num leito de morte. Dicionário de “minhas últimas palavras”. Uma dúzia de sorrisos francos extraídos do cerne de crianças nativas da Amazônia e de todos os canteiros do planeta. Esperança a granel para os que acabam de nascer. Pores do sol portáteis pra gente acender nas noites tristes.

Eu vi, eu vejo, eu sei...

terça-feira, 1 de setembro de 2015

Se eu tivesse mil vidas diferentes, eu te amaria em todas.

E depois de mil dias enfim setembro chegou. Eu procurei mil rostos, mil sorrisos e mil palavras, mas nenhuma fez sentido. Procurei mil caminhos, mil músicas, mas nenhuma tocou meu coração.
Depois de mil procura, mil maneiras, sei que não existe ninguém igual a ninguém, e que por mais que se procure algo pra se substituir, nada terá a mesma graça.
Aqueles olhos que refletem luz no meu coração.


Você pode encontrar alguém que goste de chuva, mas que não vai querer passear contigo e se molhar.
Você pode encontrar alguém que fale de amor, mas não vai querer dormir ao seu lado todos os dias.
Você pode encontrar alguém que tenha um corpo malhado, mas não vai querer discutir poesias, MPB e Chico Buarque.
Você pode encontrar alguém que goste de cerveja, mas não vai querer rir até de madrugada com você e aguentar sua crise de choro.
Você pode encontrar alguém que escute Jazz, mas não vai querer ir contigo em um concerto.
Você pode encontrar alguém que tenha olhos verdes, azuis, caramelo, arco-iris, mas que não vai olhar pra você com o mesmo carinho.
Você pode encontrar alguém que diga que te ama, mas será apenas da boca pra fora.
Você pode encontrar alguém que olhe em seus olhos, mas nunca no seu coração.
Você pode encontrar alguém que te faça um cafuné, mas não retribuirá o mesmo desejo.
Você pode encontrar alguém que goste de animais, mas nunca da mesma maneira.
Você pode encontrar tantas coisas parecidas, mas somente uma será única.
Se juntássemos as pequenas alegrias, seríamos felizes todos os dias..


sábado, 29 de agosto de 2015

And love is a satire.

Ele tem o dom de me fazer feliz, com aquele carinho todo. Toda vez que volta e pega a minha mão.
Ele é único e especial, com uma sintonia, uma alegria sem igual. Na música e na emoção, embala o meu coração.
Aquela agradável sensação de paz, de fogos queimando e risos á toa. Ele me emociona falando assim de como a vida é triste, mas ela pode ser bonita, e ela é bonita, é bonita...
Ele me faz sentir especial, me envolve e me devora. Me chama de linda e me abraça.
Ele tem um sentimento enorme dentro do seu coração que transborda pelas calçadas, pelo ar, e pelos olhos... e a lua estava tão linda quando ele chegou.
Ele tem o perfume mais gostoso de sentir e suspirar, ele me anima e me deixa nas nuvens.
Ele escreve poesias tão lindas, que eu até tenho uma guardada e assim lembrar de seus olhos, do seu toque e do seu coração.
Ele faz minha respiração ofegar por horas sem parar, como se nunca mais tivesse fim.
Ele é tão lindo por fora e por dentro, mas pena que ele não sabe disso.
Quando ele toca meu cabelo, se enrola em mim e me traduz, é parte do mistério que ele surpreende...
A sua foto vai estar sempre guardada e aquela música sempre irá tocar, me lembrando de como é bom tê-lo um dia conhecido.


Ele é o mais doce de todos, aquele doce melhor que chocolate que eu sempre quero ter, porque só ele me faz tão feliz.


sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Meu coração tem mil anos.

Ela era uma mulher que cometia erros, que ás vezes chorava em uma segunda-feira de manhã ou à noite, sozinha em sua cama.
Era uma mulher que com frequência ficava entediada com a vida e tinha dificuldades para acordar para trabalhar de manhã.
Era uma mulher que tinha muitos dias ruins, que se olhava no espelho e se perguntava por que não consegui simplesmente se arrastar para a academia mais vezes, era uma mulher que às vezes odiara o trabalho e questionara seus motivos para viver nesse planeta.
Era uma mulher que às vezes entendia as coisas de modo errado.
Por outro lado, era uma mulher com um milhão de lembranças felizes, que sabia como era viver um amor verdadeiro e que estava pronta para viver mais a vida, amar mais e criar novas lembranças. Se demorassem dez meses ou dez anos,
Independentemente do que existisse mais a frente, ela sabia que podia abrir o coração e seguir o caminho pelo qual ele a levasse. Enquanto isso apenas viveria.



Vamos embora?





"Lembra quando te falei que as estrelas brilham até de dia? E que o amor esta ali e de repente a gente sente que a lua esta bonita la pras 22h, mesmo estando la em cima desde as 16h. Se eu visse um cometa eu te diria que seu brilho se parece com o olhar que tu me causas. E de repente eu estaria la na sala ouvindo um clássico qualquer, buscando uma saída pra dizer que não te amo e esquecer que numa mera tarde em que o dia estava lindo, tu ficou e me encantou com um sorriso que atirou a minha alma, trazendo teu amor como a cura que me cura dessa vontade de querer você pra mim."








quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Amores imperfeitos são as flores da estação.

Tudo está escrito nos detalhes, tudo que faz a diferença em nossa vida, está em simples detalhes.
Enquanto uns se importam com carros, dinheiro, balada e roupas. Eu me importo com um coração. E em como fazer um sorriso brotar com apenas um detalhe. Em como estar feliz, fazer feliz com coisas simples, em palavras, atitudes, chocolates, estrelas e luas, mimos e carinhos.
De nada adianta colecionar amores, cores e dores, se não tem sentido algum no final. Se no final do dia, você percebe que nada disse te faz feliz. Que uma pessoa especial vale mais que tudo.
Que encontrar milhares e milhares de rostos, não te fará mais amado, ou desejado. E qual o sentido?
Do que adianta estar sozinho em meio a multidão, quando apenas uma pessoa bastaria pra preencher seu coração? Quando apenas uma pessoa faz diferença na sua vida, do amanhecer ao anoitecer... que somente uma pessoa te devolve a paz, amor e a alegria, que o detalhe está nisso, na realidade que só enxergamos com o coração.
Que caráter não se constrói em academia, que corpo bonito qualquer um pode ter, mas do que adianta ter uma beleza vazia?
Como dizia O pequeno príncipe: ...
"- Os homens do teu planeta, disse o principezinho, cultivam cinco mil rosas num mesmo jardim... e não encontram o que procuram... - Não encontram, respondi...E, no entanto, o que eles buscam poderia ser achado numa só rosa, ou num pouquinho d’água...- É verdade. E o principezinho acrescentou: - Mas os olhos são cegos. É preciso buscar com o coração...


Mas, sinto muito, se não fui seu mais raro amor.

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

E uma hora acontece.



Eu queria ter pegado na tua mão e te tirado de lá. Ter dito que ali era um canto imundo e escuro e tinha ratos e um bando de gente que só queria te sugar. Ter falado que você não precisava ter passado por aquilo, ele não precisava ter te mandado a foto, você não precisava ter passado dois meses dentro de um apartamento, a gente não precisava ter deixado isso tudo ter ido tão longe. Não precisava?
Eu achava que não, que podia te livrar da parte feia e pular logo pra aquela saída do Joá que mostra a praia e São Conrado, aquela em que você me acordava sempre que eu babava do lado do motorista. Achava que sofrer demais e parar no meio do caminho é maldição e que passar por tudo isso é o revés do que eu sentia por você, mas não. Nada disso. O engano foi meu.

A gente precisa passar por tudo isso sozinho. Amar demais me fez entrar numa negação fudida de quem queria pegar no teu braço e te puxar, te arrancar de você e te tacar na rua pra ver se você reagia. Você não queria, por que eu iria te obrigar? Levou um tempo até eu perceber que as pessoas têm o tempo delas, não importa o quanto eu ou você que tá me lendo ou você pra quem eu tô escrevendo achemos que não. Elas precisam se curar sozinhas, caso contrário os outros só vão servir pra salgar os rasgos na pele. Elas precisam passar pelo túnel escuro e ter medo, passar pelos tubos e levar um susto. Entender quem se esconde na gente e precisa sair, porque boa parte do escuro vem da gente, daquelas horas em que a gente se recusa a acender a luz.

Eu te vi em uns momentos que doeram aqui dentro, mas eu não podia fazer nada. Te lembrava constantemente de que tava ali, acho que é isso que a gente tem que fazer, cuidar e cuidar mais um pouco, mas sem invadir o espaço do outro. Afinal de contas, não é a gente que tá sentindo, não adianta querer mexer nos ponteiros que não são nossos na intenção de atrasar ou adiantar alguma coisa. Foi por isso que eu te deixei entrar nessa e fui acompanhando do lado de fora, quando cê caía, eu te lembrava que ia esperar no fim do túnel. Quando cê dizia que ia demorar pra chegar, eu montava acampamento e acendia fogueira, nunca soube se dava pra te aquecer, mas poxa, eu queria diminuir um pouco o frio. E uma hora acontece. sempre acontece.



Não sei quanto tempo vai demorar até você sair daí. Mas você precisa tomar teu tempo e passar por ele, é só mais uma fase, em quanto túneis piores você já não entrou? Eu sei que você tá a pé e deve doer pra cacete, sei porque você é meu Calcanhar de Aquiles e toda vez que eu ouço que você desistiu, eu regrido um pouco também. Eu tô exatamente aqui, parado no mesmo lugar, na porta do túnel. Cê vai se assustar com a luz, com o barulho e com tudo mais, mas é normal. Depois de um tempo dentro da gente, sair é assustador. Me encontra na porta de saída? Fico quietinho e te estendo a mão, cê vai precisar de uma puxada forte pra não desistir de tentar ver o mundo aqui fora. Quando tudo isso passar, me encontra no fim do túnel. Eles vão ter passado, mas eu não. Eu já vou ter passado por tudo isso com você.

Quando alimentamos rancores, morremos aos poucos.

A filha chegou para o pai e disse:
– Pai, não aguento mais a minha vizinha!  Quero matá-la, mas tenho medo que descubram.
– O senhor pode me ajudar?
– Posso sim meu amor, mas tem um porém…Você vai ter que fazer as pazes com ela para que ninguém desconfie que foi você, quando ela morrer.Vai ter que cuidar muito bem dela, ser gentil, agradecida, paciente, carinhosa, menos egoísta, retribuir sempre, escutar mais…Tá vendo este pozinho aqui? Todos os dias você vai colocar um pouco na comida dela. Assim, ela vai morrer aos poucos.
Passado os 30 dias, a filha voltou e disse ao pai:
– Eu não quero mais que ela morra! Eu passei a amá-la. E agora? Como eu faço para cortar o efeito do veneno?
O pai, então, respondeu:
– Não se preocupe! O que eu te dei foi pó de arroz. Ela não vai morrer, pois o veneno estava em você!.
Quando alimentamos rancores, morremos aos poucos. Que possamos fazer as pazes conosco e com quem nos ofendeu.
Que possamos tratar aos outros, como gostaríamos de ser tratados.
Que possamos ter a iniciativa de amar, de dar, de doar, de servir, de presentear…e não só a de querer ganhar, ser servido, tirar vantagem e explorar o outro.
(Autor Desconhecido)

Quando alguém te machuca é como se tivesse sido mordido por uma cobra. A ferida pode ou não ser grande, mas podemos fechá-la e curá-la. O ruim é quando a mordida é venenosa. Os venenos mais comuns são a vingança, olho por olho e busca de justiça a todo custo.

“Estes venenos podem estar atuando dentro de nós por anos, devorando-nos internamente e fazendo com que nossa vida perca a alegria e esperança.”

Guardar rancor é humano, muito humano. Mas perdoar também. E errar. Dizem que quem não ama não perdoa. Na verdade, é precisamente o amor o culpado do perdão. O amor ao outro, à vida, ao mundo e a si mesmo.

Ou seja, o perdão de verdade não existe se não houver nada que o justifique. Pode haver bondade, responsabilidade e indiferença, o que quiser, mas a única maneira de alcançá-lo é amor.
Além disso, dizem que de algum modo o perdão é sinônimo de liberdade. Na verdade, nossas feridas emocionais vão se curar apenas quando falarmos sobre o nosso passado e nossa dor sem lágrimas, depois de termos perdoado e esquecido.

No entanto, o perdão não significa que temos de apagar o passado ou esquecer a dor, mas perdoar é criar uma nova forma de lembrar e de olhar para o nosso presente e futuro.


terça-feira, 25 de agosto de 2015

Será mesmo que não era a hora?

Cansei de ver e ouvir pessoas dizendo que estão só esperando o momento certo para fazerem algo na sua vida que há muito tempo é desejado. “Só vou trocar de emprego no momento certo, ainda não é hora.” “Não posso viajar nessas férias, quem sabe na próxima seja o momento certo?”Confesso que eu sou uma dessas pessoas que usa o tão falado “momento certo” como desculpa para não ir atrás do que meu coração implora. Por algum motivo meu cérebro grita “ainda não é hora.”
Hoje estava pensando se isso realmente existe, ou se é apenas outro meio que arrumei de fugir do que me aguarda. Sempre tive muito medo de tudo que pode acontecer, das coisas fugirem do meu alcance e, no final do dia, estar deitada na cama, com a tão temida frase na cabeça: “Poxa, ainda não era hora.”

Será mesmo que não era a hora? Quando eu vou saber a hora certa para deixar pra trás aquele ressentimento guardado da minha amiga que tanto me magoou? Acho que eu ainda posso guardar um pouquinho, afinal, o orgulho fala mais alto. E será mesmo que o próximo ano é o tempo certo para me casar e assumir uma família? Com essa crise, é melhor adiar. Ainda temos tanto tempo para isso, né? Namoramos há tanto tempo que mais uns anos não farão diferença. Ou talvez ainda não seja a hora de trocar de emprego, acho que posso aguentar esse chefe insuportável mais dois anos, quem sabe ele não desiste primeiro? Ainda não é tempo de seguir minha carreira como escritor, preciso ter dinheiro guardado e assegurar que não irei passar apertos.

O momento certo não existe. Nunca existiu e nem nunca vai chegar. Nem pra você, nem pra mim, nem pra ninguém. Desculpa quebrar suas expectativas logo assim de cara e não ter escrito algumas palavras para eufemizar o que eu quero dizer, mas às vezes a gente precisa mesmo é de um choque da realidade.

Acorda para a vida, abra os olhos de verdade. Eu sei que eles estão abertos agora, mas você está atento ao que realmente está vendo? O momento que você esperou por toda sua vida é agora. Ele não está no futuro, ele sempre foi o seu presente e você nunca percebeu. Ele não vai te pegar de surpresa, você não vai sentir um sopro no coração e ter a plena certeza de que a hora é agora. Toda hora é hora.
Se tem alguma coisa que não te faz feliz, porque adiar sua partida? Largue agora no passado todos os sentimentos ruins que você vem carregando consigo todo esse tempo. Deixe sua bagagem mais leve, abra espaço para coisas novas e que te preencham com leveza. Se o emprego não te satisfaz mais, não há porque continuar. Acordar cedo todos os dias e ir para um lugar que não te faz bem, onde você se movimenta mecanicamente realizando todos os afazeres por pura obrigação é maçante, deprimente. Vá em busca do que excita seu coração. Não há nada melhor do que uma alma sorridente.

Pare de planejar tanto assim. Nada na vida é perfeito, nada é como você realmente quer. Tudo pode ser bem mais simples se você começar a ver a vida de outro jeito. Deixe para trás tudo o que não te acrescenta e abrace as novas coisas que estão por vir. Pare de arrumar desculpas adiando aquilo que você tanto quer mas, por puro medo, não arrisca. Não tenha medo de abrir mão do que é seguro ou só porque é viável. Coloque a cabeça no mundo pra valer e vá atrás do que seu coração implora toda noite. Eu te garanto que a vida não vai chegar e sussurrar no seu ouvido: “Prazer, eu sou o momento certo.” Não espere por isso, vá atrás e diga você: “Oi, este é o meu momento certo.” Diga e viva todos os dias como o momento certo.